O que é Hiperplasia Atípica da Mama ?

1A hiperplasia acontece quando as células crescem de forma não usual, É uma alteração benigna, que pode atingir várias partes do corpo, como as mamas. Quando isso acontece é chamado de hiperplasia da mama, que pode ser ductal ou lobular. A Hiperplasia atípica ocorre quando esse crescimento nao usual é mais intenso.

Ainda não há fatores estabelecidos, mas algumas mulheres, durante o processo natural de envelhecimento, desenvolvem a hiperplasia mamária quando células normais crescem dentro do tecido mamário, em tamanho e número. A hiperplasia pode atingir tanto os ductos (Hiperplasia Ductal) quanto os lóbulos (Hiperplasia Lobular).
 
 
 
Hiperplasia Atípica
 

Existem sintomas?⠀

Normalmente, a mulher não apresenta sintomas da hiperplasia, que geralmente é diagnosticada em exames preventivos de rotina.
 

stethoscopeUma vez que o médico detecta uma hiperplasia atípica nas mamas, o cuidado deve ser redobrado. Muitas vezes se sugere ampliação cirúrgica da área diagnosticada e além disso sugere-se seguimento periódico clinico e com exames de imagem.

Consulta Pública – Tratamento câncer de mama HER2 +

 

PacientesnocontroleCONITEC abre consulta pública sobre inclusão de medicamentos para tratamento do câncer de mama metastático no SUS!!!

O órgão avalia pedidos de inclusão no SUS de uma terapia combinada, composta pelos medicamentos trastuzumabe e pertuzumabe, para controle do câncer de mama metastático HER2+, ampliando assim as possibilidades terapêuticas para essas pacientes.

O uso da Terapia combinada do trastuzumab e pertuzumab em pacientes metastaticas com HER2 positivo leva a um melhor controle da doença e aumento significativo na sobrevida.

INFELIZMENTE O USO DESSAS DROGAS EM PACIENTES COM CANCER DE MAMA METÁSTATICO HER 2+ NAO ESTA DISPONÍVEL NO SUS.

TODAS AS PACIENTES DEVEM TER ACESSO AO TRATAMENTO

 

Participe da Consulta

Se você é paciente de câncer de mama, convive com pacientes ou é profissional de saúde, faça sua contribuição direta às Consultas Públicas no site da CONITEC até 02/05

 

ACESSE O HOTSITE DA CAMPANHA

1) Consulta Pública CONITEC/SCTIE Nº 13/2017

Pertuzumabe para o tratamento do câncer de mama HER2 positivo metastático em primeira linha de tratamento associado ao trastuzumabe e docetaxel

👉  LINK DO FORMULARIO DA CONITEC

Essa consulta diz respeito à inclusão dos medicamentos pertuzumabe e trastuzumabe no SUS para pacientes com câncer de mama HER2+ em estágio metastático

2) Consulta Pública CONITEC/SCTIE Nº 14/2017

Trastuzumabe para o tratamento do câncer de mama HER2-positivo metastático em primeira linha de tratamento

👉  LINK DO FORMULARIO DA CONITEC

Essa consulta diz respeito à inclusão do medicamento trastuzumabe (sem o uso de pertuzumabe) no SUS para pacientes com câncer de mama HER2+ em estágio metastático

Saiba mais sobre o tratamento

Casos mais graves de HPV podem não ser identificados pelo Papanicolau, diz estudo

 

ana_extraLeia no Jornal Extra: http://extra.globo.com/noticias/saude-e-ciencia/casos-mais-graves-de-hpv-podem-nao-ser-identificados-pelo-papanicolau-diz-estudo-20761361.html#ixzz4Vgq5HhS7

Apesar de essencial para detectar e prevenir uma série de doenças, o exame preventivo feito no ginecologista, o Papanicolau, pode não ser o mais eficiente para identificar casos graves do papilomavírus humano, o HPV, responsável pelo câncer do colo do útero. O estudo “Athena”, feito por pesquisadores americanos, mostra que outro exame, o teste do DNA do HPV, é quase 30% mais sensível para perceber casos de alto risco.

— Muitas vezes, o Papanicolau pode falhar para ver lesões precursoras do câncer, porque ele depende de muitas variáveis: do laboratório, de quem coletou e da qualidade do material em si. Já o teste do DNA do HPV é totalmente automatizado. A coleta é igual à do preventivo — explica a ginecologista Neila Speck, professora do Departamento de Ginecologia da Escola Paulista de Medicina.

Para a ginecologista Carolina Mocarzel, chefe de clínica do Hospital Federal dos Servidores do Estado, esse teste é indicado como complemento ao Papanicolau para mulheres com mais de 30 anos:

— O preventivo é de rotina e avalia se o material achado tem sinais de infecção. O outro tem que ser feito com indicação, caso a paciente tenha um histórico ou apresente lesões suspeitas.

infochpdpict000034954354O câncer do colo do útero é um dos que mais atinge mulheres no país, mas, com a prevenção correta, ele pode ser curado em 100% dos casos, de acordo com a oncologista Ana Carolina Nobre, do grupo Oncologia D’Or.

— Para virar câncer, ele demora de 10 a 20 anos. Então, tem muito tempo para detectar as lesões e tratar. Nos países desenvolvidos, quase não se vê casos. A recomendação é fazer sempre o preventivo — afirma.

Inca inaugura ambulatório de sexualidade


O Instituto Nacional de Câncer (Inca) inaugurou o primeiro ambulatório de sexualidade do Brasil para pacientes com câncer ginecológico, há uma semana. O espaço, construído dentro do Hospital do Câncer II (HC II), no bairro do Santo Cristo, no Centro do Rio, será dedicado ao atendimento de mulheres que sofrem de câncer de colo do útero, de ovário, de vagina e de vulva.

A equipe do ambulatório é formada por enfermeiros, fisioterapeutas, psicólogos e psiquiatras. Eles orientações sobre quais limitações cada mulher terá — de acordo com o tipo de tratamento ao qual cada uma for submetida — e sobre como essas mulheres podem adequar sua prática sexual a essas limitações.

O ambulatório funcionará em uma sala exclusiva no HC II, sempre às quintas-feiras, das 8h às 17h. As pacientes poderão ir às consultas acompanhadas de seus parceiros, familiares ou amigos. Pelo menos por enquanto, o atendimento será feito apenas às mulheres que fazem tratamento contra o câncer no Inca.

O que é o Cateter de Quimioterapia?

O cateter é um tubo especial que inserido em uma veia e conectado a um reservatório, que fica implantado debaixo da pele. Ele pode ser deixado neste local por muitos meses, e sua utilização facilita o tratamento quimioterápico venoso, pois não é necessário fazer punções repetidas na tentativa de “acertar” uma veia.

Veja o video sobre o cateter de quimioterapia:

O que é o Carcinoma Ductal Infiltrante de Mama

O que e carcinoma ductal infiltranteO Carcinoma Ductal Infiltrante de Mama é o tipo mais comum de câncer de mama invasivo, representando aproximadamente 80% dos casos.

As células ductais cancerosas nascem nos ductos mamários (ductos por onde drena o leite durante a amamentação). Nos carcinomas invasivos as celulas cancerosas atravessam o ducto e invadem o estroma, tecido em volta do ducto. Essas células possuem a capacidade de invadir outros tecidos e crescer tanto localmente quanto de se espalhar pelas veias e vasos linfáticos. E importante lembrar que o carcinoma ductal infiltrante difere do carcinoma situ, o carcinoma in situ não atravessa a barreira do ducto e não tem potencial, por estar contido, de formar metástases.

Diagrama mostrando carcinoma ductal in situ (DCIS)

Os subtipos dos carcinoma ductais são:

• Carcinoma tubular (geralmente menos agressivo); • Carcinoma medular (geralmente afeta mulheres mais jovens, pode estar associado a mutações predisponentes ao câncer); • Carcinoma mucinoso (geralmente acomete mulheres após a menopausa, associado a melhor prognóstico); • Carcinoma papilífero (frequentemente associado a CDIS, geralmente de bom prognóstico); • Carcinoma cribiforme (geralmente de bom prognóstico).
O carcinoma ductal invasivo tem de ser caracterizado quanto à presença e quantidade de receptores hormonais (receptor de estrógeno e progesterona) na superfície das células, além do grau de expressão da proteína Her-2. Esta caracterização é feita pela técnica denominada de imunohistoquímica. Em relação à caracterização da proteína Her-2, pode se fazer necessário teste adicional, denominado de FISH, que consiste em um teste molecular para se ter certeza em relação à expressão de Her-2. A importância do resultado da pesquisa de receptores hormonais e Her-2 está relacionada à possibilidade de se utilizar terapias-alvo.

Existe Câncer de mama em homens?

Cancer de Mama em HomensÉ comum câncer de mama em homens?

Nos homens, o câncer da mama é muito raro. Há cerca de 350 homens diagnosticados a cada ano, em comparação com cerca de 50.000 casos de câncer de mama em mulheres. O sintomas, diagnóstico e tratamento são todos muito semelhantes às mulheres com câncer da mama. Os riscos e as causas variam um pouco, normalmente é mais comum em famílias onde a historia de cancer de mama é muito frequente. Pode existir relação com mutações em genes como o BRCA.

Os sintomas do câncer de mama em homens

O sintoma mais comum para os homens com cancer de mama é um nódulo na área do peito. Este é quase sempre indolor. Outros sintomas podem incluir:
  • Inchaço da mama
  • Uma ferida (úlcera) na pele da mama
  • Mamilo retraído
  • Caroços debaixo do braço
Se você tiver algum destes sintomas, é importante ir ao seu médico de família imediatamente. Encontrar um câncer precoce dá a melhor chance de sucesso do tratamento.

Cirurgia

A operação mais comum para os homens com câncer de mama é a remoção da totalidade de mama (mastectomia), incluindo o mamilo. Não há tecido mamário muito em homens, por isso geralmente não é possível deixar qualquer coisa atrás. Às vezes, o cirurgião remove também parte do músculo subjacente se ele está perto do câncer. Para os homens diagnosticados com câncer de mama invasivo, o cirurgião pode remover alguns dos gânglios linfáticos da axila. Para os homens, os implantes atualmente disponíveis não recriam a forma correta de peito de um homem por isso não é usual ter a reconstrução da mama. Mas, por vezes, o cirurgião pode ser capaz de melhorar a aparência com mais cirurgias após a mastectomia. Fotos abaixo mostram antes de uma mastectomia, 1 dia e 3 meses após a operação (Fonte: Cancer Research UK).
 
Foto que mostra as marcações feitas antes de uma biópsia mastectomia e linfonodo sentinela
Esta foto mostra a marcação antes da cirurgia.
 
Foto que mostra um homem um dia depois de ter uma biópsia mastectomia e linfonodo sentinela
Logo após a cirurgia
 
Foto que mostra um homem de 3 meses depois de ter uma biópsia mastectomia e linfonodo sentinela
3 meses após a cirurgia
 

Como a poluição do ar pode causar câncer.

Poluição CâncerA poluição do ar é uma mistura de muitas substâncias diferentes e os conteúdos exatos variam dependendo de que fontes de poluição estão nas proximidades, a sua localização, a época do ano e até mesmo o clima. Fontes de poluição do ar podem ser como fumaça de veículos e fumaça de queima de combustíveis.

Fumar tem um efeito muito maior sobre o risco de desenvolver câncer de pulmão do que qualquer poluição do ar exterior. Se você fuma, a melhor coisa que você pode fazer por sua saúde é parar .

Poluição do ar exterior

A poluição do ar está associada com um risco aumentado de câncer de pulmão. Embora o aumento do risco de câncer pela poluição do ar exterior seja pequeno, todo mundo está exposto, e por isso,, tem um efeito importante em toda a população como um todo.

Em 2013, a Agência Internacional de Investigação de Câncer (IARC)  reuniu um painel de especialistas para analisar as evidências sobre a poluição do ar e câncer. Este painel decidiu que não havia provas suficientes para dizer que a poluição do ar pode causar câncer nas pessoas. E que não havia provas suficientes para dizer que uma parte específica da poluição do ar conhecido como PM 2,5 (“Material Particulado”, menos de 2,5 milionésimos de metro de diâmetro) pode causar câncer.

Poluição do ar interior

Poluição do ar interior pode ter várias fontes, incluindo os combustíveis utilizados para aquecer casas e cozinhar, o fumo do tabaco e radônio. Fumo passivo Atualmente, milhões de pessoas estão expostos ao fumo passivo, para as crianças a maior parte desta exposição ocorre em suas próprias casas. O fumo passivo aumenta o risco de câncer e outras doenças, tais como doença cardíaca e acidente vascular cerebral, levando a milhares de mortes todos os anos.  

O que pode ser feito para aliviar os sintomas de metástases ósseas?

POSTO13Como aliviar os sintomas de metástases ósseas?

Medicamentos chamados bifosfonatos (Zometa e outros) podem ajudar a tornar os ossos mais fortes e prevenir fraturas.

Os médicos às vezes podem indicar também cirurgia para apoiar os ossos afetados.

Além disso, a terapia de radiação dirigida para o osso (radioterapia) pode reduzir a dor causada por metástases ósseas.