Câncer de Mama

O que é o câncer de mama?

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação anormal de células da mama. É o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma, respondendo por cerca de 25% dos casos novos a cada ano.
Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta idade sua incidência cresce progressivamente, especialmente após os 50 anos.
Estatísticas indicam aumento da sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento. Existem vários tipos de câncer de mama. Alguns evoluem de forma rápida, outros, não. A maioria dos casos tem bom prognóstico, principalmente quando diagnosticados precocemente.
Nos homens, o câncer da mama é muito raro. Há cerca de 350 homens diagnosticados a cada ano, em comparação com cerca de 50.000 casos de câncer de mama em mulheres.

Quais são os fatores de risco?

  • Idade (principal)
  • Obesidade
  • Bebidas alcoólicas
  • Exposição a radiações ionizantes (bomba atomica, pacientes Linfoma Hodgkin)
  • Terapia de reposição hormonal
  • História Familiar de Câncer de Mama – 20% Hereditários
  • Mutação genética dos genes BRCA1 e 2 – 4%
  • Primeira menstruação precoce
  • Menopausa tardia (após os 50 anos)
  • Primeira gravidez após os 30 anos
  • Não ter tido filhos
  • Tabagismo
  • Dúvidas: excesso consumo de soja, fitohormonios, baixo consumo de vitamina D e calcio

Diagnóstico Precoce

O câncer de mama pode ser detectado em fases iniciais, em grande parte dos casos, aumentando assim as chances de tratamento e cura.

É importante que as mulheres fiquem atentas a qualquer alteração suspeita na mama. Quando a mulher conhece bem suas mamas e se familiariza com o que é normal para ela, pode estar atenta a essas alterações e buscar o serviço de saúde para investigação diagnóstica.

A orientação atual é que a mulher faça a observação e a autopalpação das mamas sempre que se sentir confortável para tal (no banho, no momento da troca de roupa ou em outra situação do cotidiano), sem necessidade de uma técnica específica de autoexame, em um determinado período do mês, como preconizado nos anos 80. Essa mudança surgiu do fato de que, na prática, muitas mulheres com câncer de mama descobriram a doença a partir da observação casual de alterações mamárias e não por meio de uma prática sistemática de se autoexaminar, com método e periodicidade definidas.

A detecção precoce do câncer de mama pode também ser feita pela mamografia, quando realizada em mulheres sem sinais e sintomas da doença, numa faixa etária em que haja um balanço favorável entre benefícios e riscos dessa prática (mamografia de rastreamento).

A recomendação no Brasil, atualizada em 2015, é que mulheres entre 50 e 69 anos façam uma mamografia a cada dois anos. Essa é também a rotina adotada na maior parte dos países que implantaram o rastreamento do câncer de mama e tiveram impacto na redução da mortalidade por essa doença.

Os benefícios da mamografia de rastreamento incluem a possibilidade de encontrar o câncer no início e ter um tratamento menos agressivo.

59700

Novos Casos em 2018

90

% de Cura - Diagnostico Precoce

14388

Mortes em 2013

Entenda cada estágio do câncer de mama:

  • Câncer de mama estágios 0, 1 e 2: são os estágios iniciais do câncer de mama, nos quais o tumor está limitado à mama. Nestes estágios as pacientes têm chance de curar o câncer de mama, desde que o diagnóstico ocorra cedo e que a paciente responda bem ao tratamento.2,4-5
  • Câncer de mama estágio 3: neste estágio o câncer da mama é chamado de “câncer de mama localmente avançado”, o que significa que o câncer se espalhou para os nódulos linfáticos e/ou para outros tecidos da mama, mas não para outros locais do corpo.2,4-5
  • Câncer de mama estágio 4: neste estágio o câncer de mama é chamado de “câncer de mama metastático” ou “câncer de mama avançado”. Nesta fase, o câncer se espalhou para outros locais do corpo, como fígado, pulmões, ossos, cérebro e /ou outros tecidos

Quais as causas do câncer de mama?

Não há uma causa especifica e sim fatores de risco que determinam a probabilidade de ter ou não câncer de mama.

São eles:

  1. Sexo Feminino
  2. Idade 
  3. Obesidade 
  4. Bebidas alcoólicas
  5. Exposição a radiações ionizantes (sobreviventes de bomba atômica, pacientes que trataram Linfoma Hodgkin com radioterapia no tórax)
  6. Terapia de reposição hormonal 
  7. História Familiar de Câncer de Mama – 20% Hereditários
  8. Mutação genética dos genes BRCA1 e 2 – 4%
  9. Primeira menstruação precoce 
  10. Menopausa tardia (após os 50 anos)
  11. Primeira gravidez após os 30 anos  
  12. Não ter tido filhos
  13. Tabagismo 
  14. Dúvidas: excesso consumo de soja, fitohormonios, baixo consumo de vitamina D e calcio

Quais os sintomas ?

Pode não ter sintomas, inclusive, em estadios iniciais, a maioria não tem sintomas. Por isso a Mamografia é tão importante!

  • Nódulos na mama
  • Alterações de pele (retração, vermelhidão, feridas)
  • Nódulos na axila
  • Saída de secreção pelo mamilo
  • Alterações na pele do mamilo 
  • Inversão ou retração do mamilo

Tratamento:

O tratamento para o câncer de mama varia de acordo com o grau de desenvolvimento do tumor, podendo ser feito através de quimioterapia, hormonioterapia, radioterapia ou cirurgia. Outros fatores que podem influenciar na escolha do tratamento são as características do tumor e características da mulher, como se ela já entrou na menopausa e se existem outras doenças associadas ou não.

Quais são os tipos de cirurgia?

# Cirurgia Radical = retirada de toda mama

# Cirurgia Conservadora = retirada de parte da mama

# Linfadenectomia Axilar = retirada dos ganglios da axila

# Biópsia do Linfondo Sentinela = retirada do primeiro gânglio da axila que faz a drenagem da mama